Lançamento do Projeto “Livro da Vida” em Palmeirândia!

COMPARTILHE !!!

No próximo dia 19 será uma data toda especial para Palmeirândia, surge mais um projeto de assistencialismo social sem cunho politico ou viés ideológicos, buscando atender anseios sociais local através do empreendedorismo e leitura, o Projeto Livro da Vida. Um projeto que visa levar o incentivo à leitura das crianças e jovens, inicialmente na comunidade da Santa Eulália zona rural de Palmeirândia.

Tivemos uma conversa muito prazerosa com o idealizador do projeto o Coronel Trinta Junior, onde foram sanadas algumas duvidas pertinentes sobre o projeto.

Coronel Trinta Junior recebe crianças no Comando Geral da Policia Militar.

Entrevista com Coronel Trinta Junior:

Coronel o senhor estar idealizando um projeto pioneiro em nossa querida Palmeirândia, fale um pouco desse projeto inicialmente.

Bom inicialmente, o que tenho a dizer que esse projeto surgiu a um bom tempo a mais de 5 anos, depois que eu comecei a ler bastantes livros, eu me considero uma pessoa vencedora assim como todos nós que estamos vivos, eu tive um grande problema quando era criança inclusive em Palmeirândia, eu nunca gostei até mesmo próximo à faculdade de pegar em livros, mas eu sempre tive a facilidade e curiosidade de aprender perguntando na própria aula, quando foi no curso de direito já depois de fazer alguns concursos eu comecei a descobrir no livro que se eu pegasse o livro muito antes seria bem melhor, e também vi que as pessoas não tinham muitas oportunidades, então descobrir que qualquer que seja o livro ele faz você se libertar, ele faz com que você não dependa muito do poder público por exemplo, ele faz com que você procure andar com suas próprias pernas, você busca alternativas na leitura, vai se autodesenvolvendo, esse é objetivo principal desse projeto é transmitir isso para as demais pessoas principalmente crianças e adolescentes.

Coronel porquê da escolha da comunidade da Santa Eulália e quais vantagens para a comunidade?

Bom primeiramente a escolha caiu sobre uma cidade da qual tenho minhas origens e através do Alessandro que é guarda municipal de Palmeirândia amigo nosso e que faz parte do projeto, ele nos sugeriu que fosse feito no povoado Santa Eulália, eu não conheço realmente Santa Eulália, sei que é um dos maiores povoados de Palmeirândia então resolve fazer, vi que a comunidade é desassistida até pela distância, pela localização é desassistida pelo poder público, é uma comunidade que acredito ser bem isolada e nós queríamos fazer essa parceria, iniciar esse plano piloto, levando livros e doações. Uma coisa que é bem importante que eu quero pregar é que apesar das doações nós não vamos levar o peixe, nós vamos levar o anzol, fazer ensinamentos, patrocinar palestras, aulões, levar aquilo que as pessoas não encontram na escola tradicional por exemplo, até aqueles que têm um poder aquisitivo maior que estudam em escolas particulares. Através da leitura de um livro chamado Pai Rico Pai Pobre, eu deduzir o seguinte isso através de conversar com um amigo meu chamado Hubert onde ele fala o seguinte: Todo brasileiro era para ter na sua cabeceira da cama uma constituição e uma bíblia, ao menos esses dois livros. Eu acredito nisso porque são ensinamentos verdadeiros e nós vamos levar a comunidade essas propostas que não se encontram nas escolas, por exemplo, nós vamos trabalhar a questão de projetos agrícolas, nós vamos trabalhar o empreendedorismo, nós vamos ensinar às pessoas que mesmo na dificuldade que elas podem se empreendedoras, vamos trabalhar em cima das dificuldades, porque muita gente mostram facilidades e quando a pessoa entra em uma dificuldade coisa que todos nós temos, que é natural que tenhamos até mesmo para aprender, pois só aprendemos com os erros, a gente fica neutralizado, e se você aprender que é errado e que não deu certo os fracassos, você vai saber que isso é importante e vai passar por cima, ai vai tirar de letra. Então nós queremos ensinar projetos, até mesmo sobre financias em casa, isso tudo dentro da própria bíblia e através dos livros de empreendedorismo eles mostram que nós precisamos nos unir para possamos juntar forças, termos ética, coerência, nós estamos levando uma equipagem vamos trabalhar na área esportiva para evitar que crianças e adolescentes entrem nas drogas, outra coisa que vamos levar é a questão que as crianças têm uma coisa que elas não tinham antes que é a internet.

Coronel existe mais alguém nesse projeto?

Tem sim, eu o Alessandro Costa guarda municipal de Palmeirândia e um parente meu o promotor de justiça Igor Adriano Trinta, também da região da baixada ele já foi oficial da Policia Militar, Delegado de Polícia Civil do Estado do Maranhão, uma pessoa que venceu, são exemplos como esses que queremos mostrar, se nós conseguimos vencer todos também conseguem, esse projeto é só o começo, é dinâmico tem várias vertentes.

Qual é o cunho ideológico desse projeto Coronel?

Bom esse projeto não tem cunho nenhum ideológico, político ou religioso, nem ideológico mesmo dito, o único cunho é assistencialismo proativo, que a gente não vai levar só o peixe, mas o anzol, ensinar as pessoas a pescarem, dar um norte, levar aquilo que nós aprendemos através dos livros, das nossas experiências, das nossas viagens para outros estados, assim uma forma de contar experiências para que as pessoas cresçam também, então não tem cunho nenhum político, nem se quer meu título pertence hoje a Palmeirândia já havia transferido, até por algumas decepções com políticos da região. Esse projeto é ao contrario ele vai ensinar as pessoas a não dependerem de políticos, nada contra políticos, diferentemente de que muitos pensam e isso é importante frisar, para que o político ajuda a comunidade ou seja mais presente se você contribuir com a sociedade o político não vai fazer nenhum benefício, ao contrário  ai que ele vai ver que você não depende dele, porque o político na verdade muitas vezes e eu não estou me referindo a ninguém, não estou me referindo a atual porque várias já passaram, são muitos políticos da baixada, mas esses políticos de modo geral querem a pessoa dependente, se eles notarem que as pessoas estão independentes, estão agindo tomando iniciativas, estão se auto ajudando, ai que ele vai operar, então é efeito ao contrário, o efeito ao contrário, vai ser uma soma de fatores ajudas múltiplas inclusive do poder público.

Nesse projeto o senhor está contando com ajuda política?

Como falei, estou evitando ao máximo divulgar no meio político, nada contra a política a gente tem que gostar, porque se a gente não gostar vai ter alguém que goste e vai sempre está nos dominando porque alguns não gostam, eu adoro política, infelizmente essa política do Brasil é um pouco complicada, mas temos que gostar e temos que está dentro, mas como falei estou evitando, pois vejo muita gente ai fazer alguma atividade social e fica exagerando em fotografias na mídia e outras coisas, então eu acho ridículo, particularmente eu acho que aquilo que a mão direita dar não queira a esquerda saber, claro que divulgamos só por uma questão das pessoas saibam e ajudem nas arrecadações de roupas e livros, porque o livro seria o anzol e as pessoas nós precisamos para nos ajudar, porque juntos somos mais fortes e apenas isso e por essa razão que divulguei, mas nós não estamos divulgando para simplesmente dizer que estamos fazendo não.

Comentários